CONFIGURAÇÃO DE SEGURANÇA

A GARANTIA DE UM SISTEMA DE ELEVADOR É ESSENCIAL PARA GARANTIR A INTEGRIDADE FÍSICA DO UTILIZADOR E A SERENIDADE DE TODAS AS PARTES COMPROMETIDAS COM A RESPONSABILIDADE LEGAL PELA SEGURANÇA DO SISTEMA DE ELEVADOR: o proprietário ou representante legal (por exemplo, administrador do condomínio), o técnico de manutenção, o organismo certificado responsável pelas inspeções periódicas (em particular o engenheiro que assina o relatório de inspeção), o instalador e o produtor.

As estatísticas de acidentes nos elevadores dos últimos 40 anos comprovam que os elevadores hidráulicos são instalações seguras. A este respeito, a GMV S.p.A. é um exemplo vivo, com cerca de 800.000 grupos hidráulicos vendidos em todo o mundo em quase 60 anos. Mas não nos devemos esquecer do facto de que esses produtos também são máquinas sujeitas a envelhecimento e desgaste e, portanto, exigem verificações e revisões.

Nos últimos anos, observamos um interesse crescente pelas questões de segurança em qualquer campo. A experiência demonstrou a existência de riscos potenciais ignorados no passado e a importância da prevenção de acidentes tem sido cada vez mais entendida. A opinião pública é cada vez mais sensível às questões de segurança.

A Diretiva de Máquinas 2006/42 / EC estabelece que “A máquina deve ser projetada, construída e, se necessário, equipada com dispositivos de segurança a fim de excluir movimentos descontrolados da cabine no movimento descendente e ascendente. “(6.4.1.)

Os regulamentos mais recentes implementaram esse requisito também no campo dos elevadores e, em particular, a alteração A3 às normas EN 81-2, que entrou em vigor em 01/01/2012 e agora está integrada na nova norma EN 81.20, exige que dispositivos de segurança sejam instalados nos novos equipamentos de elevação, a fim de evitar movimentos descontrolados da cabine com portas abertas.

A conformidade com esta norma encontrou aplicação concreta através da introdução do duplo bloqueio nos conjuntos de válvulas hidráulicas.

Este regulamento também se aplica aos equipamentos de elevação existentes, através da norma EN 81.80, publicada pela primeira vez em 2003, classificando como “alto” o risco de movimentos descontrolados da cabine com portas abertas.

Esta questão é sempre atual de modo que, em junho de 2016, o CEN (Comité Europeu de Normalização) considerou adequado atualizar o texto e colocar em funcionamento uma nova versão da norma EN.81.80 (pr EN 81-80: 2016), que contém os detalhes das recentes norma EN 81.20.

A norma EN 81.80 pode ser uma diretriz para:

  • Proprietários que desejam cumprir as suas responsabilidades de acordo com os regulamentos existentes;
  • Empresas de manutenção e / ou organismos de inspeção para informar os proprietários dos elevadores sobre o nível de segurança dos seus equipamentos de elevação.

É bom considerar que o elevador é o meio de transporte mais utilizado no mundo, mas também é um dos mais antigos em circulação: dos cerca de 2 milhões de equipamentos hidráulicos em serviço, cerca de 20% (400.000) têm mais de 25 anos. Muitos equipamentos em serviço não garantem (mesmo que as regras de prudência e bom senso realmente a imponham) o nível de segurança tornado obrigatório para novos equipamentos decorrente da alteração A3 à norma EN 81-2.

EXISTEM RAZÕES OBJETIVAS PARA ASSEGURAR e garantir a todos os passageiros do elevador a mesma sensação de segurança, independentemente da idade do elevador.

BLOQUEIO DE SEGURANÇA DUPLO

Os antigos elevadores hidráulicos não estão geralmente equipados com a dupla segurança e, em alguns casos, também funcionam sem porta.

Nos elevadores hidráulicos instalados antes de 2012, estava prevista apenas a dupla segurança fornecida pela válvula de fecho do fluxo (obturador) e pelo sistema de recuperação. É evidente, portanto, que a segurança de um elevador é comprometida quando, devido a uma falha no sistema de bloco de fluxo, este sistema importante deixa de funcionar após 20 minutos devido a um superaquecimento do motor e do óleo. Como resultado, perde-se a dupla segurança e isso pode causar um movimento descontrolado da cabine com portas abertas.

A mesma situação pode ocorrer em caso de falta de energia, o que cortaria o motor e o sistema importante.

VÁLVULA DLV

A válvula DLV permite introduzir o duplo bloqueio nas válvulas fabricadas pela GMV ou por outros fabricantes. É uma válvula de retenção controlada eletricamente, que deve ser instalada em série entre o pistão e o distribuidor principal.

A válvula DLV pode ser instalada em menos de duas horas.

REVISÃO DO GRUPO DE VÁLVULAS

São necessárias verificações periódicas gerais do grupo de válvulas. A GMV pode oferecer esse serviço para as válvulas e para as unidades de energia completas na sua própria fábrica em Novara.

SUBSTITUIÇÃO DO ÓLEO

O óleo hidráulico, após anos de serviço, está sujeito a deterioração e precisa de ser substituído. Em conformidade com as recentes normas de proteção ambiental, é aconselhável substituir os óleos minerais ou sintéticos por Fluido Ecológico biodegradável. O GMV Ecological Fluid é um fluido hidráulico de base sintética com um índice de biodegradabilidade> 70%. Em caso de derramamento acidental, o proprietário do sistema está protegido de quaisquer consequências penais.

A GMV considera seu dever informar os seus clientes a esse respeito e sensibilizar todas as partes interessadas. Por esse motivo, a GMV organizou e planeia organizar no futuro unidades de treino sobre este tópico para operadores de elevadores, verificadores de organismos certificados e administradores de condomínios.

A GMV fornece produtos adequados para atender a essa demanda a baixo custo.